Quinta-feira da Semana Santa, Instituição da Eucaristia

Evangelho (Jo 13,1-15)

1Era antes da festa da Páscoa. Jesus sabia que tinha chegado a sua hora de passar deste mundo para o Pai; tendo amado os seus que estavam no mundo, amou-os até o fim.

2Estavam tomando a ceia. O diabo já tinha posto no coração de Judas, filho de Simão Iscariotes, o propósito de entregar Jesus. 3Jesus, sabendo que o Pai tinha colocado tudo em suas mãos e que de Deus tinha saído e para Deus voltava, 4levantou-se da mesa, tirou o manto, pegou uma toalha e amarrou-a na cintura. 5Derramou água numa bacia e começou a lavar os pés dos discípulos, enxugando-os com a toalha com que estava cingido.

6Chegou a vez de Simão Pedro. Pedro disse: “Senhor, tu me lavas os pés?” 7Respondeu Jesus: “Agora, não entendes o que estou fazendo; mais tarde compreenderás”.

8Disse-lhe Pedro: “Tu nunca me lavarás os pés!” Mas Jesus respondeu: “Se eu não te lavar, não terás parte comigo”9Simão Pedro disse: “Senhor, então lava não somente os meus pés, mas também as mãos e a cabeça”.

10Jesus respondeu: “Quem já se banhou não precisa lavar senão os pés, porque já está todo limpo. Também vós estais limpos, mas não todos”.

11Jesus sabia quem o ia entregar; por isso disse: “Nem todos estais limpos”.

12Depois de ter lavado os pés dos discípulos, Jesus vestiu o manto e sentou-se de novo. E disse aos discípulos: “Compreendeis o que acabo de fazer? 13Vós me chamais Mestre e Senhor, e dizeis bem, pois eu o sou. 14Portanto, se eu, o Senhor e Mestre, vos lavei os pés, também vós deveis lavar os pés uns dos outros. 15Dei-vos o exemplo, para que façais a mesma coisa que eu fiz.

 

 

O QUE JESUS QUIS DIZER AOS SEUS?

 

Em João não temos a narração da consagração do Pão e do Vinho e sim o que vem antes dela: Jesus faz um gesto de profunda humildade e amor e passa a explicar o que fez. Era costume no tempo de Jesus antes do início da refeição, que os escravos pasassem lavando os pés dos que participariam do banquete. Jesus faz um gesto reservado aos escravos. Por isso Pedro reage daquele modo.

 

No evangelho de João, depois que Jesus lava os pés dos discípulos, ele começa com um discuso que vai ser muito longo de quatro capitulos que termina com uma oração ao Pai. O clima é de intimidade e aproveitando-se desse último momento temos os últimos ensinamentos, recomendações, promessas pois « é chegada a hora ».

 

Neste evangelho Jesus antecipa a sua páscoa de uma noite. Para o evangelista João Jesus morre na cruz no dia de Páscoa, mas para Mateus, Marcos e Lucas Jesus celebra a primeira missa na cei pascal judaica. Podemos com isso fazer uma relação entre eucaristia e páscoa. Este sacramento é a Páscoa do Senhor. É por isso que para nós a celebração da eucaristia é fundamental, é a nossa Páscoa, é Jesus que se oferece para a nossa salvação.

 

 

O QUE JESUS NOS QUER DIZER?

 

O que Jesus disse na úlima ceia é endereçado a todas as comunidades cristãs que um dia virão. O gesto que fez de lavar os pés resume a vida de Jesus, que foi um total rebaixamento e um doar-se até o fim. Nós seremos felizes se o imitarmos, colocando-nos ao serviço uns dos outros.

 

Esse gesto de Jesus marca esta leitura e chega até nós com uma força muito grande pois até hoje se reproduz nas missas da quinta-feira santa o lava-pés. Em João não temos a narração da consagração do pão no corpo de Jesus e do vinho no seu sangue. Os três evangelistas relatam esse acontecimento.

 

Não temos dúvidas que Jesus celebrou a primeira eucaristia nesta noite e o fato de João ter pulado essa parte pode ser uma mensagem para nós forte do que significa participar de uma celebração eucarística (missa) : amar, amar até o fim da forma mais intensa que se pode amar. O gesto de lavar os pés é um convite para que sejamos eucaristia para os outros.

 

 “Compreendeis o que acabo de fazer? […] se eu, o Senhor e Mestre, vos lavei os pés, também vós deveis lavar os pés uns dos outros. Dei-vos o exemplo, para que façais a mesma coisa que eu fiz.

 

A DESCOBERTA DE JESUS NOS FAZ ENTRAR EM DIÁLOGO COM ELE

 

“Jesus, como o Pai colocou tudo em suas mãos, queremos lhe pedir pelos sacerdotes, para que não se cansem de servir, por todos nós, para que levemos para casa o seu exemplo e assim vivamos entre nós a eucaristia, doação de si e comunhão do irmão. Amém!

 

 

Irmã Maria Helena Teixeira

Colaboradora JI