Bi Garcia agiliza recursos para o Festival junto ao Governo Federal

Durante a audiência realizada na Casa Civil, o prefeito Bi Garcia (D) deliberou sobre a necessidade do aporte financeiro do Governo Federal para a festa folclórica. Foi alinhavado R$ 4 milhões para o evento.

 

Em viagem a Brasília, o prefeito Bi Garcia esteve reunido nesta quarta-feira, 17 de maio, com o ministro-chefe da Casa Civil, Eliseu Padilha, e o deputado federal Pauderney Avelino a fim de conseguir a liberação de recursos junto ao Ministério da Cultura para o Festival Folclórico de Parintins deste ano.

Durante a audiência realizada na Casa Civil, o prefeito deliberou sobre a necessidade do aporte financeiro do Governo Federal para a festa folclórica. Foi alinhavado R$ 4 milhões para o evento.

O prefeito classifica como fundamental este apoio financeiro em razão de toda a sua importância na geração de emprego e renda para Parintins. “Estamos em busca desses recursos porque a festa dos bois é o que aquece a economia local todos os anos. Além disso, é um importante instrumento de divulgação do diversidade cultural do nosso Estado não só no Brasil, como no mundo todo”, comentou.

Além da grande possibilidade da realização deste convênio para o Festival, Parintins teve outra vitória nesta quarta-feira (17) com um decreto assinado pelo governador David Almeida. Na publicação feita no Diário Oficial do Estado do Amazonas, o governador oficializou a toada de boi-bumbá como patrimônio cultural e imaterial do povo amazonense.

 

Marcha dos prefeitos

 

O prefeito Bi Garcia também participou da XX Marcha dos prefeitos a Brasília. O evento é organizado pela Confederação Nacional dos Municípios e atua na consolidação e fortalecimento da autonomia dos federados brasileiros. Na edição deste ano, o principal foco foi o parcelamento das dívidas dos municípios junto ao Governo Federal.

Na terça, o presidente da República, Michel Temer, assinou uma medida provisória que possibilitará a mais de 4,5 mil municípios o parcelamento das dívidas previdenciárias.

 

 

SECOM

Comentários

comentários

COMPARTILHAR