HOME
NOTÍCIAS
CRÔNICAS
ARTIGOS
CIPÓ
RECADOS
FOTOS
SITES
CONTATO
WEBMAIL JI
O JORNAL DA ILHA - ‘A mulher moderna é o contrário da Amélia’, diz Chico da Silva

‘A mulher moderna é o contrário da Amélia’, diz Chico da Silva
segunda-feira - 04/02/2013 03:42:42

Cantor e compositor, ele bem que poderia ter virado jogador de futebol, não fosse um problema no menisco aos 16 anos. Mas o que esse parintinense sabe fazer como ninguém é mesmo contar as histórias de suas aventuras pelo Brasil (foto:Clóvis Miranda)

NEUTON CORRÊA/ACRITICA.COM

Voz inconfundível e uma memória afiada. O parintinense Chico da Silva conta nessa entrevista causos como o de quando foi escalado pela gravadora, em 1977, para fazer frente a um artista concorrente, Martinho da Villa, e da viagem a Belém para brigar com o PT pelo uso indevido da música “Vermelho”. Autor de grandes clássicos do samba brasileiro, Chico quase foi jogador de futebol e tem formação de torneiro mecânico. Mas o que ele faz como ninguém, além de música, é contar histórias. Confira abaixo, na íntegra, a entrevista concedida à rádio A Crítica FM.

No início dos anos 80, você parava Parintins quando visitava a cidade. Lembro uma ocasião em que os fãs foram ao aeroporto e fizeram uma passeata enorme, que te conduziu direto para o estádio. E você chegou a entrar em campo pelo Sulamérica.

Me lembro desse dia. O Peninha (cantor) estava comigo. Parintins é uma cidade maravilhosa! Ali nasce um artista a cada cinco horas. A cidade parece que tem um poder mágico de produção cultural. E eu era bom jogador, cheguei a receber proposta de times profissionais na adolescência. Podia ter feito carreira, mas machuquei o menisco aos 16 anos. Naquela época o tratamento para esse tipo de contusão era muito difícil.

Nessa época você já tinha lançado vários discos e era bastante conhecido, certo?

Meu primeiro disco é de 1977. Chama-se “Samba: quem sabe diz...”. Porque samba, na gíria do sambista, não se canta. Samba se diz. Tanto é que quando vão pedir música, falam assim: diz um samba ai. Foi meu primeiro long play e fez um grande sucesso, principalmente com a música “Pandeiro é meu nome”, que entrou na trilha da novela “Sem lenço e sem documento”. Esse vinil integra a discografia completa que estou relançando. A gravadora me deu o acervo, sem ônus (não é preciso repassar os direitos para a empresa), para comercialização no Amazonas. Já lancei o volume 1 e o volume 2, que é o “Samba também é vida”.

Como foi a “invenção” do Chico da Silva. Você foi mesmo lançado pela Phonogram, que virou Polygram e depois Universal, para fazer frente a um outro fenômeno, que era o Martinho da Villa?

Sim, mas no começo eu nem percebia isso. O produtor que me contratou era argentino e achou que minha voz, o timbre da minha voz, era o mesmo do Martinho, especialmente nos graves. Ele achou então que eu deveria cantar igual. E eu, nos programas de calouro, já cantava músicas do Martinho da Villa. Cantei no programa do Silvio Santos, no Bolinha, na Record. Até nesse menino agora, Raul Gil, que já tinha programa de calouros. Fui calouro de programa de TV em São Paulo, onde morei 12 anos, o que me deu uma experiência muito grande e me levou para a noite. E na noite eu passei a cantar muitas músicas do Martinho.

Então essa relação com Martinho da Villa já existia?

Na noite de São Paulo, me tornei um dos maiores intérpretes do trabalho dele, tanto é que restaurante e boates de ponta me contratavam só para isso. Cheguei a substituir o Martinho da Villa de certa feita, em uma boate que ele não compareceu para cantar. Depois nos tornamos amigos, por meio dos “Originais do samba”, que eram muito próximos do Martinho. E foi por meio deles também que conheci vários artistas e cheguei à Phonogram. E a maior coincidência é que a primeira música minha que eu gravei, “Barba Azul”, eu compus para o Martinho. Quando eu me tornei amigo dele, na época do Jogral, ensaiávamos toda tarde e um dia mostrei a música. Ele já estava com um disco completo e ficou de usar no ano seguinte. Acontece que nesse intervalo fui contratado e eu mesmo gravei a música.

Como foi sua ida para São Paulo? Você já vivia de música nessa época?

Fui para o Sudeste em 1966, com 19 anos. Era estudante da Escola Técnica Federal do Amazonas e tinha a prática de ofício. Sai da Escola Técnica com a mesma profissão do presidente Lula: torneiro mecânico. Fui primeiro para o Rio de Janeiro, num navio da Marinha Mercante, “escondido” com a ajuda da tripulação e clandestino para a companhia dona do navio. Logo depois me mudei para São Paulo. Eu já cantava, mas foi lá que comecei a cantar na noite.

E você já era conhecido? Já foi com alguma referência?

A arte é uma coisa muito interessante... Ela te arrebata e você, quando menos espera, está completamente envolvido. E as pessoas vão descobrindo e no final, dá no que deu: você acaba sendo chamado para exercer aquilo que você sabe fazer melhor.

É verdade ou lenda que você trabalhou como flanelinha no Maracanã?

Não é verdade. O que eu já fiz foi lavar carro. Trabalhei muito com isso em São Paulo. É uma atividade boa para você ganhar um troco, um dinheiro legal. E é um trabalho rápido, sem obrigação de cumprir horário. É só chegar, lavar o carro e receber a grana.

Como é a história de sua ida a Belém, onde estavam usando a música “Vermelho” na campanha do PT?

Tenho fã clube em vários Estados do país. No Pará tenho grupos de fãs organizados em Castanhal, Marabá, Breves e na própria capital. Tudo que acontece referente ao meu trabalho, eles me ligam avisando. Então na primeira campanha do Edmilson (Rodrigues), ainda pelo PT, me avisaram: estão usando o “Vermelho”. Agora ele é do Psol, inclusive na eleição passada estava muito bem e era favorito, mas cometeu a besteira de incorporar o PT na campanha... Enfim, no primeiro turno eu deixei quieto, mas no segundo turno, baixei lá. Fui com o Pedrinho Ribeiro, que era meu assessor nessa questão. Quando percebi que o Pedrinho estava meio devagar na negociação, eu mesmo encarei o Edmilson, num comício. Me apresentei e avisei que estavam usando indevidamente a música. Daí enfrentei o PT inteiro.

E você conseguiu receber?

Foi uma confusão danada! Na época, consegui que me pagassem R$ 30 mil. Pedi R$ 60 mil para eles me darem R$ 30 mil, que é quanto vale um bom jingle. O “Vermelho” já era um sucesso. E é até hoje. Tenho dez processos contra políticos de todo o Brasil pelo uso indevido da música, recentemente teve um caso desses em Maués.

E o “causo” do hotel Hilton? Como foi?

Estava em Belém sem grana, com bem pouco dinheiro. Só tinha dinheiro no banco, mas quem controlava a conta era minha mulher. Então fui para um hotel chamado 77, desses com “alta rotatividade”. Era perto do teatro da Paz, que fica em frente ao hotel Hilton. O gerente era um ex-músico que tinha tocado comigo. Liguei para o Pedrinho (Ribeiro), avisando que já tinha chegado a Belém para correr atrás do prejuízo com o PT. Ele perguntou: “Onde você está?” E eu: “Sabe onde é o Hilton?”. Ele: “Ah! Tá no Hilton!”. Eu: “Então... Não. Tô num hotel atrás do Hilton”. Foi engraçado isso. E depois o PT queria me pagar pelo “Vermelho” em cheque. Eu disse: preciso do pagamento em dinheiro porque tenho que pagar o Hilton, a diária é mais de R$ 500 (risos).

Suas letras manifestam uma formação literária. São letras tem reflexão. Tem muito do poeta Chico da Silva, mas tem também do escritor. A música “A dama do vestido mal feito”, por exemplo, é um conto perfeito. O vestido dela continua mal feito?

A dama do vestido mal feito continua precisando de um bom costureiro. E esse costureiro é o povo. A dama é a pátria, a nação brasileira. E ela segue mal vestida, todos os (líderes) que já apareceram não sabiam costurar.

Qual a música que não pode faltar no show? Aquela que, quando vai chegando ao fim da apresentação e ainda não tocou, as pessoas começam a pedir?

Modéstia a parte, tenho várias. Tem “Pandeiro é meu nome”, que eu considero meu hino. “Sufoco”, que ficou famosa na voz da Alcione, também pedem muito. Pedem também “É preciso muito amor”.

Quem inspirou essa música, aliás? Quem é essa mulher que tem que ser paparicada, senão chora e diz que vai embora?

Fiz essa música para a mulher moderna, que é o contrário da Amélia, o antônimo desse clássico do Ataulfo Alves. É uma mulher que vai a luta, que não quer passar fome, que sabe bem o que quer.

1022 visitas

Compartilhe esta notícia:

< Notícias

 

As 5 últimas:

21/08/2014 05:46:31
Parintinenses representam o Amazonas nos Jogos da Juventude
campeões do Atletismo Vitor Ferreira e Otávio de Souza


21/08/2014 05:25:01
“É em defesa da população que devemos trabalhar”, destaca Nelson Campos
vereador Nelson Campos (PRTB)

21/08/2014 05:12:17
Flamengo vence o Atlético-MG de virada no Maracanã
O Maracanã cheio é capaz de grandes feitos quando se trata de Flamengo.

20/08/2014 15:23:46
COMJEL anuncia campeonato de base
coordenador de Esporte do Município Carlos Meirelles

20/08/2014 03:53:08
Marinha apura publicação da foto de prova durante concurso para escola
'Que comece a prova! Ao vivo', teria escrito aluno em grupo do Facebook.

 

7.755.590 pageviews desde 2009.

 

Parceiro Baranda